segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Cruzando a linha



Um passo além dessa linha, que é como o limite dividindo os vivos dos mortos,
repousa o Desconhecido do sofrimento e da morte.
E o que há ali?
Quem está lá?
Lá, além daquele campo, além daquela árvore, daquele telhado cintilando ao sol?
Ninguém sabe, mas quem não deseja saber?
Você receia cruzar a linha, mas você quer cruzá-la; e você sabe que mais cedo ou mais tarde
essa linha vai ter de ser cruzada e você vai descobrir o que existe daquele outro lado,
do mesmo modo que você inevitavelmente vai ter que aprender o que existe do outro lado da morte.
(Guerra e Paz- Leon Tolstói)


*
Convivo com os que temem cruzar a linha.
Descrevem o medo e as desgraças que podem advir desse ato.
Temem não dar conta de tal empreendimento.
Eu os preparo lentamente e os incentivo a fazê-lo.
É um processo longo e doloroso para ambos que estão nessa jornada.
O cruzamento é sentido como morte
Um acontecimento que poderá desembocar na loucura
 No desespero ou
Algo sem volta
Um terror sem nome
Quando a linha é cruzada, o medo se extingue.
Quem a cruza ressente-se de não o ter feito antes.
Descrevem a sensação boa da verdade e da felicidade
Descobrem finalmente a paz consigo e com o mundo
Descobrem que não era morte além da linha
Era vida...



Nenhum comentário:

Postar um comentário