quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Estranhamento


Não falemos em quantias
Peço-te que não mensures mais o meu amor
Ele não é métrico
Mas ele existe
Não tenho culpa se não o vês
Talvez estejas querendo alcançá-lo com a régua
Ou quem sabe procurando o sósia do teu
Mas, por favor, sinta-o
Fecha teus olhos e consulta tua memória
Esquecestes de quem eu sou?
Não sabes mais me sentir?
Como pôde apagar os meus dados?
Desaprendestes a ler meus sinais?
Não te lembras do quanto eu te roubei pelo olhar?
Até hoje te possuo em toneladas
Nunca me mostrei tanto como a ti
Porém, me olhas
E não me reconheces
Será que um dia me vistes?

anamaria





Nenhum comentário:

Postar um comentário